URBANASVARIEDADES.BLOGSPOT.COM

O modo long-play do Urbanascidades, desde 02.02.2012.
Blog cultural e artístico de produção coletiva. Seja um colaborador enviando artigos, cronicas, poemas, contos, ensaios e qualquer outro tipo de manifestação artística literária ou cultural. Não avaliamos ou censuramos textos, a anarquia e a contestação são incentivadas, dentro do politicamente correto. Discriminações, agressões, palavrões e outros "ões" ofensivos não serão aceitos.
Por que Long Play? Versão mais "cool", para ser saboreada ao som de um "smooth jazz", com textos que aprofundam os temas, para Urbanautas que tem um tempinho a mais.

Envie as suas produções para urbanascidades@gmail.com.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

cronica - Trilha musical do Urbanascidades


Se fosse possível compartimentar a existência humana através de sons, inseridos em uma play list, a primeira faixa seriam os sons de percussão produzidos pelo coração de nossa mãe, além dos outros ruídos produzidos pelo meio exterior e captados por nossos minúsculos ouvidos.

Expulsos do paraíso, o primeiro som que ouvimos é o da nossa própria voz (e com certeza, também será o último), e vários ruídos e sons vão sendo acrescentados à nossa "memória sonora".

As próximas faixas serão produzidas pelas vozes de nossos familiares, ruídos ambientais e, pela primeira vez, vamos compartilhar a trilha com outros semelhantes através das cantigas infantis.

Nossa vida vai passando e encontramos finalmente seres semelhantes à nós, visto que até agora só convivíamos com gigantes que não nos entendiam, e falavam uma língua estrangeira que não conseguíamos compreender.

A primeira tribo. Vestimo-nos com as mesmas roupas, falamos a mesma língua, temos os mesmos gostos para comidas, amigos e programas, frequentamos os mesmos locais e, apesar dos esforços dos gigantes, caminhamos, inicialmente titubeantes, com nosssas próprias pernas.

Fim da escravidão, a convivencia com nossos pares nos torna fortes e independentes, e aprendemos rapidamente como fugir do jugo dos adultos.

A partir de agora criamos nossa própria trilha e, contrariando os pais, não aceitamos como nossa a Rainha dos Baixinhos. Cada um escolherá suas trilhas, e se reagrupará em novas tribos segundo suas preferencias pessoais ou as impostas pela mídia e pelo marketing. Algumas dessas tribos se relacionarão, outras não, e poderemos participar de várias ao mesmo tempo.

As próximas faixas serão adicionadas conforme o tempo/espaço.

Poderá ser um beatlemaníaco, um fã dos Stones, dos precursores Bill e Elvis, pode gostar de jazz, blues, country, bossa nova, das big bands, dos tropicalistas, dos sertanejos....
Trilhas de protestos contra ditaduras, contras as guerras, trilhas de paz e amor dos hippies, as trilhas revolucionárias e anárquicas dos punks, as trilhas pesadas do rock, um caldo de cultura com muitas faixas.

Verão de 78, praia de Tramandaí, no toca-fita do "besourão amarelo" (para os mais novos um fusca 1600 com dupla carburação, bancos e acessórios esportivos), toca "Cowboy of Dreams, do Crosby e Nash. À frente, o Atlantico e suas frias e não tão límpidas águas, ao fundo os prédios e residencias da praia de Tramandaí. Ao lado, a adolescente paixão de minha vida que, com esta trilha e paisagem, tornou-se amor por toda vida.

Quando o amor entra em nossos corações e mentes, a sonoridade se altera. Compartilhamos estilos, os que odiavam agora cantam e pulam carnaval, tímpanos que não absorviam a estridencia das guitarras "hard rock" escutam trinados de pássaros, bocejos e roncos na clásica melodia percorrem árias, operetas e concertos como abelhas beijam flores.

Consequencia natural, acrescentamos a marcha nupcial à nossa trilha e retornamos ao inicio, ao choro do bebe.

Para muitos esta época torna a trilha um enfadonho repetir de rotinas, encarcerados em multiplas trilhas sem conseguir espaço para rodar a tua.

Para outros, como procuro ser, a preservação de nossa identidade primordial é importante, e perseguindo minha trilha particular no passado, recordo bons e maus momentos, visualizo cenas e situações como em um filme virtual, BOM ERA NAQUELE TEMPO...

Antenado às novidades, adiciono ao meu set list atualidade, contemporaneidade e experimentação. Claro que a trilha inicial provocou sulcos em nosso gosto musical, e tendemos a aceitar com mais facilidade sonoridades melódicas que reconhecemos.

Se o desgaste natural de nossos frágeis corpos prejudicarem nossa audição, novamente precisamos nos adaptar a esta nova trilha, de sussurros e ruídos imperceptíveis, lembranças sonoras reverberam em nosso cérebro, AUMENTA O SOM QUE NÃO TO OUVINDO NADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Certamente a única trilha que não gostaríamos de escutar, adiando ao máximo sua audição e, quando finalmente ela começar a rodar, não estaremos presentes para compartilhar com nossos amigos e parentes, e teremos ouvido o som de nossa própria voz, a derradeira trilha, a última e a primeira vez.

Ou, para os que como eu acreditam, até a próxima trilha.

(Postagem publicada originalmente no Urbanascidades em 06.08.2011) 
Para colaborar e incentivar cada um dos leitores e lembrarem-se de suas trilhas vou postar algumas bandas e músicas que fizeram parte da minha trilha sonora. Iniciamos com Crosby & Nash, e a música "Cowboys of Dream" do disco "Wind on the Water".
Emerson, Lake and Palmer cantam Lucky Man, escrita por Greg Lake aos 12 anos, e que conta a história de um homem que tinha tudo, foi para a guerra e morreu.

"Wish you were here" do "Pink Floyd" é, como boa parte do álbum, dirigida a Syd Barrett, entretanto ela pode ser interpretada como um desabafo de uma pessoa que sente falta de outra. O riff que deu origem à música foi criado por David Gilmour em uma sessão na Abbey Road Studios. Roger Waters escreveu a letra e também trabalhou na composição da música, ao lado de Gilmour.

"Long may you run", parceria da dupla Stephen Stils e Neil Young de 1976 parecia que seria o aguardado album de reunião do antológico C,S,N&Y, o que acabou não ocorrendo, encerra a audição de hoje. Até o próximo sábado, com mais trilha do Urbanascidades.


 

Um comentário:

Tais Luso disse...

Gostei dessa metamorfose de ruídos que estamos expostos deste nosso nascimento...
Há no seu texto trechos hilários... Percebe-se nas entrelinhas. Mas é um caminhar único e só nosso.

Abraços!
Tais

As matérias de opinião publicadas neste blog são livremente inspiradas em pesquisas na internet e em bibliografias diversas. As imagens são da internet e de outros blogs. O urbanasvariedades valoriza e respeita o direito de propriedade mas eventualmente não é possível determinar a autoria destas imagens. Caso acidentalmente ocorra a omissão ou seja citada incorretamente a autoria, entre em contato para que possamos efetuar as correções.
Os textos produzidos pelos colaboradores são de inteira responsabilidade dos mesmos.