URBANASVARIEDADES.BLOGSPOT.COM

O modo long-play do Urbanascidades, desde 02.02.2012.
Blog cultural e artístico de produção coletiva. Seja um colaborador enviando artigos, cronicas, poemas, contos, ensaios e qualquer outro tipo de manifestação artística literária ou cultural. Não avaliamos ou censuramos textos, a anarquia e a contestação são incentivadas, dentro do politicamente correto. Discriminações, agressões, palavrões e outros "ões" ofensivos não serão aceitos.
Por que Long Play? Versão mais "cool", para ser saboreada ao som de um "smooth jazz", com textos que aprofundam os temas, para Urbanautas que tem um tempinho a mais.

Envie as suas produções para urbanascidades@gmail.com.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Cronica - O Tempo não Para


O TEMPO NÃO PARA
Em tempos “informáticos”, passada a primeira década do século vinte e um, o calendário digital avança inexoravelmente rumo ao futuro. Brinquedinhos tecnológicos substituem a convivência humana, as redes sociais dão o norte das relações, a impessoalidade virtual determina comportamentos. Todos temos pressa, ligeireza nos relacionamentos descartáveis, aceleramos no consumo das novidades, ultrapassamos a velocidade da luz na busca da felicidade mediática, cinco segundos de fama nos acessos virtuais. Quanto mais expectativa e prolongamento desta vida nos propiciam, maior nosso esforço em encurtá-la, física e emocionalmente. Cigarros, bebidas, drogas, automóveis transformados em carrascos seivam vidas a todo instante, promiscuidade e devassidão, sedentarismo e violência, vidas sem valor trocadas por pedras de crack, líderes que tornaram-se modelos e paradigmas do que não fazer, mentem, roubam, locupletam-se, juventude sem rebeldia ou idealismo, qual futuro em suas mãos, educação que analfabetiza, cotas nivelando para baixo, futuros profissionais despreparados, mestres especialistas em greves, reivindicações e  licenças, facas e revolveres substituem livros e canetas nas mochilas dos alunos, a saúde fenecendo nos corredores fétidos de nossos hospitais e centros de saúde, médicos e atendentes transformados em sobreviventes na desordem do assistencialismo público, aposentados prostituem a melhor idade em financiamentos, trabalhos indignos e desgastantes, irmãos de rua chafurdam a sobrevivência nos restos da civilização, dessemelhantes minorias raciais, políticas, étnicas e religiosas disputam o poder, as economias e nações esfacelam-se vitimas da volatilidade do capital sujo sem face ou nome, credores do caos da  humanidade.
A profecia já realizou-se. Aos que pressagiam o fim do mundo, recomendo que girem em volta de si mesmos e observem o entorno. O MUNDO ACABOU!
Na contramão da Highway de final de festa, uma parcela da humanidade esta construindo uma nova sociedade sobre os escombros retorcidos a ainda fumegantes do período que se extingue. Antigos valores e conceitos são recuperados, a consciência ambiental deixou de ser moda para tornar-se vital como o ainda poluído ar que respiramos, a tecnologia do bem melhora e potencializa as condições de vida, conceitos que colocam o humano acima da técnica, qualidades como honestidade, gentileza, justiça, retidão começam a florescer sob o concreto da indiferença, toda a instrumentalização das redes sociais sendo utilizada para disseminar uma nova ordem opondo-se ao “status quo”. 
Sentado em meu escritório, envolto no redemoinho das obrigações diárias de trabalho e sobrevivência, conquisto um tempo para, através da janela, observar o esforço hercúleo de um sabiá para construir o lar de seus futuros filhotes em uma árvore em meu jardim, com folhas secas de bambus e gravetos. Concluída a obra, o vigilante futuro papai cerca de cuidados sua companheira. Após o nascimento, além do provimento material da prole, toda a cultura e conhecimento adquirido pela espécie desde o inicio dos tempos será transmitida aos herdeiros, e por estes aos seus.
Para nós, pobres mortais que procuramos na pirotecnia das filosofias, nos gurus de ocasião ou em máquinas que deveriam nos servir e não escravizar, o “sentido da vida”, esquecemos de aprender com os ensinamentos que a pródiga natureza nos oferece em singelas e sábias pinceladas, em um imensurável e inestimável livro virtual de auto-ajuda.
Sugiro que façamos pequenos treinamentos para exercitar a nossa humanidade. Garanto que não serão necessários grandes equipamentos ou esforços físicos. Vamos começar ajudando pessoas com dificuldades de locomoção e deficientes visuais a encontrarem e seguirem seus caminhos. Aos motoristas, recomendo respeitarem faixas de segurança e sinalização, repetirem indefinidamente os exercícios da paciência e gentileza, abolirem a pressa e os maus hábitos, pois todos chegaremos aos nossos destinos, de preferência terrenos.
O exercício do compartilhamento de nossas conquistas materiais com os menos afortunados é um excelente exercício de humanidade, pois sempre amealhamos mais do que necessitamos, e o pouco que oportunizemos aos necessitados nos garantem uma satisfação inenarrável.
Nos espaços públicos, exercitar o sorriso e as boas maneiras, argumentos lógicos e racionais sobrepujando-se à força bruta e grosseria, respeito ao espaço e liberdade dos outros, independente de condição social, raça ou credo, pois somos todos feitos da mesma matéria, com armaduras diversas e distintos adereços e complementos, que não conseguiremos levar conosco quando cumprirmos nossa tarefa nesta existência.
Em nossa privacidade, colocar de lado a inveja, a ganância, o ciúme e a indiferença. Cultivar a amizade e a convivência entre os de mesmo sangue parece básico, apesar de compulsório. Não delegar a terceiros contratados a educação e formação de nossos filhos, nem despejar nossos antecedentes em depósitos de idosos, onde serão sumariamente e convenientemente esquecidos. Lembrar sempre o que motivou dois estranhos a constituírem uma família, não buscar a solução fácil da desconstituição da relação por qualquer dificuldade, pulverizando a matriz em outros subgrupos que, dispersos em outros relacionamentos, transformam-se em uma grande colcha de retalhos. As amizades sanguíneas nem sempre são as melhores, pois as afetivas são fruto de escolha pessoal e, portanto, mais verdadeiras.
Concluindo, o novo é o .....velho! Sim, os antigos valores da humanidade estão de volta. Não em um revival saudosista, mas construídos a partir de toda experiência acumulada ao longo da linha do tempo decorrida, respeitando as conquistas e avanços dos seres humanos, agregando as aquisições tecnológicas, comportamentais e das relações, revolucionando a existência em um novo Big Bang, uma explosão atômica que varrerá da Terra os arcaicos e deturpados valores atuais, criando um terreno fértil para a semeadura de uma nova gênese, profícua e rica, material e espiritualmente.

Para ilustrar o texto acima, "Eu tenho um sonho" discurso proferido pelo militante pacifista Mather Luther King em agosto de 1963 para 200000 pessoas em Washington e a letra e música "God", de John Lennon,quando ele declara que "o sonho acabou".  

5 comentários:

Jusseli Maria Rocha disse...

Amigo Paulo, teu texto é inspirador! Me tocou...e traduziu em palavras sentimentos vividos em Machu Picchu.
O discurso de Luther King, emocionante..os sonhos não acabaram...
Obrigada! Abraço da juterra.

César disse...

Conquanto alguns sonhos terminem, outros tantos começam.

"Molhar o frágil e indeciso pulso
com água terrivelmente gelada,
parece sempre melhor recurso
do que o terrível de cortá-lo
com faca enferrujada." César

:.tossan® disse...

Bela e oportuna crônica meu amigo, você além das palavras bem colocadas, nos faz refletir. Abraço

ღα૨gѳђ ખ૯૨ท૯૮ઝܟ disse...

"As espécies que não desenvolveram a escrita valem-se da memória instintiva. O salmão sabe o caminho do lugar onde nasceu sem ter que consultar um parente ou um mapa.(...)Já o Homem pode ser definido como o animal que precisa tomar nota."

Luís Fernando Veríssimo


[gostei muito de sua forma´pensamento e do video]

abraço

Raul Campani disse...

Olá Paulo,
Belas palavras. O humanidade realmente está passando por uma mudança radical nos relacionamentos e pensamentos. Não sei se sou otimista quanto ao resultado dessas mudanças, mas que todos temos mais oportunidade de expôr nossas idéias, mesmo que diluídas nesta imensidão que é a internet, ela existe e muitas vezes dá resultado. Então vamos continuar lutando para que este mundo realmente mude para melhor, comunicando nossos valores.
Um abraço,

As matérias de opinião publicadas neste blog são livremente inspiradas em pesquisas na internet e em bibliografias diversas. As imagens são da internet e de outros blogs. O urbanasvariedades valoriza e respeita o direito de propriedade mas eventualmente não é possível determinar a autoria destas imagens. Caso acidentalmente ocorra a omissão ou seja citada incorretamente a autoria, entre em contato para que possamos efetuar as correções.
Os textos produzidos pelos colaboradores são de inteira responsabilidade dos mesmos.