URBANASVARIEDADES.BLOGSPOT.COM

O modo long-play do Urbanascidades, desde 02.02.2012.
Blog cultural e artístico de produção coletiva. Seja um colaborador enviando artigos, cronicas, poemas, contos, ensaios e qualquer outro tipo de manifestação artística literária ou cultural. Não avaliamos ou censuramos textos, a anarquia e a contestação são incentivadas, dentro do politicamente correto. Discriminações, agressões, palavrões e outros "ões" ofensivos não serão aceitos.
Por que Long Play? Versão mais "cool", para ser saboreada ao som de um "smooth jazz", com textos que aprofundam os temas, para Urbanautas que tem um tempinho a mais.

Envie as suas produções para urbanascidades@gmail.com.

domingo, 1 de abril de 2012

cronica - Cinemas de Rua


 





Réu confesso,assumo minha caretice, gostava mesmo dos "cinemas de rua". Perdoem-me os entusiastas da facilidade de estacionamento, da segurança, das salas de projeção com padrão de limpeza similares às CTIs de hospitais particulares (públicos não incluídos), do som estereofônico sounround, da imagem 3 ou 4 D, full HD ou o que isso queira dizer, das dezenas de salas com a mesma programação, do Buffet executivo na bomboneire, dos inúmeros lembretes do que pode ou não ser feito, ditando regras de comportamento para a convivência politicamente correta. Eu troco todo o “combo” acima por uma boa e velha sala de cinema “das antigas”.
A minha primeira lembrança transporta-me para o bairro São Geraldo, em Porto Alegre, antiga avenida Eduardo, pomposamente alcunhada de Presidente Franklin Delano Roosevelt. O cinema era o “Talia” (à esquerda), onde os espectadores miravam com um olho a tela e, com o outro, controlavam a população de pulgas e outros insetos.
Mudei-me, aos sete anos, para a avenida Cristóvão Colombo, no Bairro Floresta. Aumentou o meu leque de opções, e dividia os vesperais de domingo entre o Cine Colombo, o Astor (abaixo), o Presidente (à direita). Era uma época de Festivais de desenhos (Tom e Jerry, Picapau e outros) e sessões duplas de filmes épicos e bang-bang.
Visitar meus avós no final de semana no bairro Cristo Redentor inevitavelmente incluiria sessões de filmes do cantor Teixeirinha e do Mazaropi (o cômico, não o goleiro), com a minha bisavó e sua matilha de netos e bisnetos no Cine Real, onde a guerra de azedinhas (balas) e o bater de pés no estrado de madeira eram obrigatórios, criando a trilha sonora para a ação do filme.
A história do cinema muda radicalmente quando duas mudanças fundamentais ocorrem na tua vida: carro e namorada (quem “nasceu” primeiro? Qual é a ordem?). Depois de analisar cuidadosamente a programação no jornal, escolhido o filme, combinado o horário de buscar a “gata” na casa dos pais, lavar e dar um trato na “caranga”, ouvir um longo discurso de recomendações do pai da “guria”, esforçando-se para produzir a melhor “cara de santo” possível, inicia o passeio. Com pelo menos uma mão no volante, torcendo para que todas as sinaleiras no trajeto fiquem vermelhas (hora do beijo, que só é interrompido pela buzina estridente dos outros veículos).
Chegando ao cinema, uma volta de aproximação para avaliar o tamanho da fila. Em relação a esta, existiam duas, ma de comprar os ingressos e a outra que permitia o acesso a sala de cinema. A primeira atitude ao se aproximar era questionar o ocupante da frente sobre o objetivo de cada uma. Se a fila estivesse muito grande, o truque era deixar a namorada na calçada, enquanto procurava algum local para estacionar nas proximidades. A disputa por vagas era intensa, mas os “flanelinhas” eram simpáticos e não “mordiam”.
Morador do bairro Moinhos de Vento, os meus cinemas preferidos pela proximidade e qualidade das salas e da programação eram o cine Coral (abaixo, à direita), o Cinema 1 - sala Vogue (à esquerda), o Astor, Baltimore (no início da postagem, à direita), Avenida (no início da postagem, à esquerda).
Bom era quando encontrávamos, em situação mais privilegiada, algum conhecido e ficávamos conversando, torcendo para que os protestos dos circundantes não fossem muito intensos.
O que fazíamos depois do “the end”? Dependendo da época da vida, da companhia e da “grana”, as opções eram variadas, desde um milkshake no “Rib’s” ou no “Joe’s” na praça Júlio de Castilhos, kit chope/batata frita/molho remolado no “Pedrinho”, iscas de camarão e queijo provolone a milanesa com bandas de jazz ao vivo no sala “Tom Jobim”, uma “Califórnia com vinho branco na “Pizzatime”, suar a camiseta dançando no “Maria Fumaça” ou no Encouraçado, bandeja de petiscos e drinks especiais nos sofás curvos do pub “New Orleans”, ou visitar o “chef” Pérsio no “Picanha na Tabua”, entre outros maravilhosos locais de Porto Alegre na década de 80.
E, para os que vivenciaram esta época maravilhosa em nossa cidade, não posso deixar de incluir uma esticada ao estacionamento do Parcão.

Foto da inauguração do antigo cine-teatro Guarani



2 comentários:

Janice Adja disse...

Dependendo do dinheiro, íamos a sorveteria Florida ou Capri.
Beijos!

Francy disse...

Adorei a sesão nostalgia... mas imaginei que tu. como és mais novo, tuas lembranças fosse da era "hitec". É assim mesmo que se escreve???
abs diretamente do quente Recife.

As matérias de opinião publicadas neste blog são livremente inspiradas em pesquisas na internet e em bibliografias diversas. As imagens são da internet e de outros blogs. O urbanasvariedades valoriza e respeita o direito de propriedade mas eventualmente não é possível determinar a autoria destas imagens. Caso acidentalmente ocorra a omissão ou seja citada incorretamente a autoria, entre em contato para que possamos efetuar as correções.
Os textos produzidos pelos colaboradores são de inteira responsabilidade dos mesmos.